Início » NOTÍCIAS » População em protesto contra mineradora chinesa na Zambézia

População em protesto contra mineradora chinesa na Zambézia

Moradores de Inhassunge, na província moçambicana da Zambézia, protestam contra promessas por cumprir da Africa Great Mining Company e ameaçam paralisar exploração de areias pesadas.

Na Zambézia, endurece o braço de ferro entre a população de Inhassunge e a mineradora chinesa Africa Great Mining Company.

Os populares dizem que estão fartos das promessas da empresa que ficaram por cumprir, como fontes de água potável, estradas e bolsas de estudo – que não saíram do papel.

Ainda na semana passada, dezenas de moradores das ilhas de Olinda e Mualane, abrangidas pela extração das areias pesadas, foram a Quelimane pedir ajuda aos deputados da Comissão de Petições, Queixas e Reclamações da Assembleia da República de Moçambique, na cidade, para encontrar uma solução.

Segundo um dos moradores, os pedidos da população não estão a ser ouvidos: “A construção de uma escola, poços, reabilitação de uma estrada, um barco-ambulância, isso não está a ser cumprido. Na ilha de Mualane, estão a dar cada machamba entre 3.000 e 3.500 meticais”.

É o equivalente a pouco mais de 50 euros. Segundo os moradores, foi o montante alegadamente dado pela empresa para compensar o uso das terras. É um valor extremamente injusto, lamentam.

Um conflito antigo

As disputas entre a população de Inhassunge e a mineradora chinesa não são de hoje. Arrastam-se há quase dez anos. Já houve inclusive mortes e feridos graves no início dos protestos, em 2014.

Além das promessas por cumprir, os populares criticam ainda a alegada falta de transparência em todo o processo.

Outro morador aponta o dedo às autoridades locais: “O chefe da localidade fala uma coisa, faz um relatório bonito, mas não aparece, e os chefes guiam-se pelos relatórios. O que está a falhar aqui? Ficamos sem saber se ele recebe ‘gorjetas’ ou não recebe ‘gorjetas’, porque o que se combina não é aquilo que se faz”, afirma.

“Se há esta história de bolsas [de estudo], nós, como naturais daqui, temos de nos beneficiar”, acrescenta.

“Vamos corrigir”, diz mineradora

O porta-voz da mineradora Africa Great Mining Company diz que tudo não passa de um mal-entendido. A empresa, segundo o porta-voz Carlos Mico, está a criar todas as condições necessárias e, muito em breve, vai abrir fontes de água potável e construir as estradas prometidas.

“A estrada é transitável, mas tem alguns aspetos que vamos corrigir. O trabalho será feito com o empreiteiro responsável pela construção daquela estrada”, afirma o porta-voz- “As fontes de água já estão a ser abertas, já temos aqui o material [para a abertura de furos de água] na doca seca”, garante.

Quanto às bolsas, acrescenta o porta-voz da mineradora chinesa, a gestão está a cargo do governo do distrito de Inhassunge.

Apelo às autoridades

Para o historiador Bruno Mendiate, face a tantos anos de conflito, é preciso uma nova abordagem para alcançar consensos entre a companhia chinesa e os moradores em Inhassunge.

“Era momento oportuno de fazermos pressão para a empresa cumprir com as suas obrigações, condicionando a retoma das atividades com a construção das infraestruturas”, sugere.

E essa pressão, acrescenta, só pode ser feita pelas autoridades moçambicanas: “Como [é que a empresa] está a explorar o que tinha de explorar sem cumprir com nenhum dos termos acordados e pode sair dali ilesa?”, questiona Mendiate.

Moçambique: A polémica exploração de areias pesadas na Zambézia

A exploração de areias pesadas em Inhassunge, na província da Zambézia, continua a gerar polémica. Residentes não querem deixar as suas terras, mas muitos cedem à pressão do Governo e da empresa responsável.

Concessionária chinesa

A Africa Great Wall Meaning Company Development, uma empresa de capitais chineses, é a concessionária na prospeção e exploração das areias pesadas na província da Zambézia desde 2014. Segundo o Governo local, a Africa Great Wall atua nos distritos de Inhassunge e Chinde, onde detém propriedades de uso e aproveitamento da terra.

Moradores têm que deixar suas terras

A presença da empresa chinesa é polémica. Depois de confrontos violentos com a polícia, que resultaram na morte de pelo menos 4 pessoas em julho de 2018, a população de Inhassunge, que basicamente vive da agricultura, diz que aceita por imposição abrir mão das suas terras para a exploração das areias pesadas.

Terras rejeitadas

No entanto, o plano de reassentar as famílias abrangidas pelo projeto de exploração de areias pesadas fracassou. A população recusa-se a mudar para o novo espaço porque, segundo os moradores, as terras são áridas e não servem para a produção de qualquer alimento. Alé disso, não há no local condições para desenvolver a pesca, tal como existem nas suas zonas de origem.

“Recuso-me a ceder o meu espaço”

Albrinho Veloso vive na ilha de Mualane e não vê com bons olhos o projeto de exploração das areias pesadas pelos chineses: “Recuso-me a ceder o meu espaço. Há um ditado popular, na língua local, que diz que ‘o futuro não é confiável’, por isso, quero continuar a viver na minha terra com as condições favoráveis para a minha sobrevivência”.

Sem energia elétrica

Há um ano, o Governo da Zambézia estendeu uma linha elétrica que parte de Quelimane, capital provincial, para a região de Inhassunge. Porém, a linha de média tensão ainda não cobre todos os lugares, como, por exemplo, as áreas onde estão a ser feitas as explorações de areias pesadas. Mais um problema que os habitantes põem em cima da mesa.

Acesso às ilhas

A vida nas ilhas daquela região não é fácil. Para chegar à Olinda e Mualane, em Inhassunge, onde as areias pesadas são exploradas, a principal portagem está ao lado de Quelimane, capital da Zambézia. Os bilhetes são vendidos por agentes da polícia marítima e alguns operadores privados que têm pequenas embarcações a motor. A viagem pode custar até 300 meticais (pouco mais de 4 euros).

Barcos de carga

As canoas a remo são os primeiros e únicos meios de transporte de mercadoria e carga para as ilhas. Os produtos de primeira necessidade para a população das ilhas em Inhassunge são adquiridos em Quelimane e transportados pelas canoas por jovens naturais do distrito. A viagem demora de 8 a 10 horas no mar.

Transporte de passageiros

Além do transporte de mercadorias, as canoas também são usadas para transportar passageiros. O custo deste transporte ronda entre 10 a 30 meticais (entre 0,10 e 0,40 cêntimos de euro). Além disso, há também serviços de aluguer diário de canoas, cujo preço é mais caro.

Fonte: DW

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *