Início » NOTÍCIAS » Bento XVI – eventos importantes do pontificado

Bento XVI – eventos importantes do pontificado

Em 19 de abril de 2005, aos 78 anos, o cardeal Joseph Ratzinger, então Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé ,foi eleito 265º Papa da Igreja Católica depois de dois dias de Conclave, assumindo o nome de Bento XVI.

Vatican News

Com a morte do Papa emérito Bento XVI aos 95 anos, ocorrida neste sábado, 31 de dezembro de 2022, destacamos acontecimentos que marcaram o seu pontificado.

Um pontificado intenso para restituir “Deus ao centro”

Sete anos, dez meses e nove dias. Foi o tempo do pontificado de Bento XVI, iniciado em 19 de abril de 2005 e concluído em 28 de fevereiro de 2013, depois do anúncio supresa, dia 11 de fevereiro, da sua renúncia ao Ministério Petrino. Um pontificado bem mais breve do que seu predecessor São João Paulo II, o segundo mais longo da história, mas não menos intenso, durante o qual Papa Ratzinger fez, entre outras coisas, 24 viagens apostólicas ao exterior; participou de três Jornadas Mundiais da Juventude e a um Encontro Mundial das Famílias; escreveu três encíclicas, uma constituição apostólica, três exortações apostólicas; convocou quatro Sínodos (2 ordinários e 2 especiais); criou 84 cardeais; proclamou 45 santos e 855 beatos, entre os quais Papa Wojtyla.

O fio condutor deste pontificado foi a vontade de anunciar ao mundo o Evangelho do Amor de Cristo evocado pela sua primeira Encíclica “Deus caritas est”, para restituir “Deus ao centro” em um mundo que “a fé corre o risco de apagar-se” (Carta aos Bispos de todo o mundo, 10 de março de 2009), na consciência de que isto requer a purificação da Igreja e a conversão dos homens e das estruturas.

O Papa do diálogo entre fé e razão

Seguindo o caminho de seus predecessores – de João XXIII a João Paulo II – e as linhas “programáticas” indicadas na “Deus Caritas est”, Bento XVI foi um Papa que deu muita atenção ao diálogo inter-religioso e intercultural (um aspecto, muitas vezes pouco considerado do seu pontificado). Podemos citar o diálogo com o judaísmo e com as outras religiões, com os irmãos cristãos separados; com a ciência e o pensamento leigo; com os católicos separados da Igreja como a Fraternidade São Pio X. Diálogos marcados por muitas dificuldades, mal-entendidos e também inesperados bloqueios, mas que não desanimaram o Papa teólogo que prosseguiu com perseverança, partindo da relação entre fé e razão que, junto a da caridade e verdade, foram a marca do seu magistério. A ideia de fundo que se encontra em muitos de seus discursos e escritos era que “a razão nada perde abrindo-se aos conteúdos da fé”, enquanto que “a fé supõe a razão e aperfeiçoa-a”. Podemos pensar no famoso (e muito mal-entendido) discurso de Regensburg (2006), ou aos representantes do mundo da cultura no Collège dês Bernardins em Paris (2008), também ao histórico na Westminster Hall (2010) assim como também o histórico discurso ao Bundestag alemão (2011) só para citar alguns, aos quais deve-se acrescentar os seus documentos magisteriais sobre o assunto.

Um Papa no timão do barco na tempestade

O pontificado de Bento XVI coincidiu também com um momento particularmente difícil para a Igreja, marcado principalmente pelo escândalo da pedofilia e do caso Vatileaks. Crise que o pontífice alemão, que desde seus primeiros pronunciamentos denunciava a “sujeira” na Igreja (Via-Sacra 2005), soube enfrentar com lucidez e determinação, preparando o terreno às reformas que seriam levadas adiante pelo Papa Francisco. A luta sem fronteiras contra a pedofilia foi, com efeito, um dos aspectos que distinguiu o pontificado de Bento XVI, como confirma também o grande aumento dos sacerdotes suspensos nos anos de 2011 e 2012 (400), por envolvimento em casos de abuso, assim como o número de bispos afastados pela má gestão do problema. Números que foram os primeiros casos visíveis da reforma desejada pelo Pontífice através das Normas “De gravioribus delictis” para tornar mais eficaz a ação de contraste e prevenção. Também em relação aos escândalos financeiros que envolveram o Vaticano, deve-se a Bento XVI a introdução de medidas levadas adiante pelo Papa Francisco para tornar mais transparente a gestão financeira da Santa Sé. Começando pelo Motu Proprio de 30 de dezembro de 2010 sobre a “Prevenção e o contraste da lavagem de capitais provenientes de atividades criminosas e ao financiamento do terrorismo”.

Cronologia esquemática

2005

19 de abril de 2005

O cardeal Joseph Ratzinger, aos 78 anos, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé foi eleito 265º Papa da Igreja Católica depois de dois dias de conclave, assumindo o nome de Bento XVI. No dia anterior, durante a Messa pro eligendo pontefice, à qual presidiu na qualidade de Decano do Colégio cardinalício, o cardeal Ratzinger fez uma homilia que antecipava os pontos chave do seu futuro magistério. Começando com a célebre observação: “A pequena barca do pensamento de muitos cristãos foi muitas vezes agitada por estas ondas lançada de um extremo ao outro: do marxismo ao liberalismo, até à libertinagem, do coletivismo ao individualismo radical; do ateísmo a um vago misticismo religioso; do agnosticismo ao sincretismo…”. Derivas contra as quais pusera a mesma objeção que repetiria muitas vezes durante o seu pontificado: “Ter uma fé clara, segundo o Credo da Igreja, muitas vezes é classificado como fundamentalismo. Enquanto o relativismo, isto é, deixar-se levar ‘aqui e além por qualquer vento de doutrina’, aparece como a única atitude à altura dos tempos hodiernos. Vai-se constituindo uma ditadura do relativismo que nada reconhece como definitivo e que deixa como última medida apenas o próprio eu e as suas vontades”.

13 de maio de 2005 Bento XVI encaminha a causa de beatificação de João Paulo II, sem esperar os cinco anos canônicos.

18-21 de agosto de 2005 1ª Viagem Apostólica: Alemanha, para a Jornada Mundial da Juventude de Colônia, convocada pelo seu predecessor. Entre as etapas significativas da viagem, a visita à Sinagoga de Colônia, em 19 de agosto.

29 de agosto de 2005 Bento XVI recebe em Castel Gandolfo, D. Bernard Fellay Superior Geral da Fraternidade São Pio X. Trata-se do primeiro encontro do novo pontífice com o expoente da comunidade tradicionalista fundada por D. Marcel Léfebvre, excomungado por João Paulo II em 1988.

2-23 de outubro de 2005 XI Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos sobre o tema “A Eucaristia, fonte e ápice da vida e da missão da Igreja”.

2006

25 de janeiro de 2006 Bento XVI publica a sua primeira Carta Encíclica “Deus Caritas est” (“Deus é amor”).

19 de maio de 2006: Bento XVI condena Marcial Maciel Degollado a uma vida reservada de oração e penitência renunciado a todos os ministério públicos. O fundador dos Legionários de Cristo, acusado de pedofilia e de uma vida dupla com mulher e filhos, não foi submetido ao processo canônico somente por questão de idade.

25-28 de maio de 2006 A 2ª Viagem Apostólica: Polônia, foi uma ocasião para homenagear o seu grande predecessor. Entre os momentos mais comovedores a visita a ao Campo de Concentração Auschwitz-Birkenau, “o lugar da memória e do Holocausto”, onde pronuncia estas significativas frases: “Tomar a palavra neste lugar de horror, de acúmulo de crimes contra Deus e contra o homem sem igual na história, é quase impossível e é particularmente difícil e oprimente para um cristão, para um Papa que provém da Alemanha. Num lugar como este faltam as palavras, no fundo pode permanecer apenas um silêncio aterrorizado um silêncio que é um grito interior a Deus: Senhor, por que silenciaste? Por que toleraste tudo isto? É nesta atitude de silêncio que nos inclinamos profundamente no nosso coração face à numerosa multidão de quantos sofreram e foram condenados à morte; todavia, este silêncio torna-se depois pedido em voz alta de perdão e de reconciliação, um grito ao Deus vivo para que jamais permita uma coisa semelhante”.

8-9 de julho de 2006 3ª Viagem Apostólica: Espanha para o 5º Encontro Mundial das Famílias em Valência.

9-14 de setembro de 2006 4ª Viagem Apostólica: Alemanha. Bento XVI visita Marktl-am-Inn, sua cidade natal e a Universidade de Regensburg, onde pronuncia a célebre Lectio magistralis que causou duras reações no mundo muçulmanos por causa de uma citação do imperador bizantino Manuel II Paleologo, tirada de um seu escrito sobre a guerra santa. Os temas centrais abordados na lição são: a relação entre fé e a razão; a analogia na diferença entre Deus e o homem, o nexo entre religião e civilização; a cientificidade moderna, com o seu valor; a necessidade de ‘alargar o iluminismo’. Aquilo que interessa ao Papa alemão é afirmar que a conversão mediante a violência não é agir segundo a razão e é contrária à natureza de Deus.

28 de outubro de 2006

Bento XVI pronuncia um duro discurso aos bispos irlandeses em visita ad limina no Vaticano, no qual define os abusos sexuais contra menores dentro da Igreja como “crimes hediondos”.

28 de novembro-1º de dezembro: 5ª Viagem Apostólica: Turquia. O Papa encontra o Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I e reza na Mesquita Azul de Instambul.

2007

16 de abril de 2007: Publicação do primeiro livro da série “Jesus de Nazaré”.

9-14 de maio de 2007: 6ª Viagem Apostólica: Brasil para a V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano (CELAM) em Aparecida. O Papa canoniza Santo Antônio de Sant’Ana Galvão (Frei Galvão), sacerdote e religioso franciscano, primeiro Santo nascido no Brasil.

30 de junho de 2007: Publicação da Carta aos Católicos Chineses, na qual Bento XVI convida as autoridades e Pequim a garantirem “uma autêntica liberdade religiosa” no país.

7 de julho de 2007: Publicação do Motu Proprio ‘Summorum Pontificum’ com as indicações jurídicas e litúrgicas para a celebração da chamada Missa Tridentina, ou seja, a Missa celebrada segundo o “Missal Romano de S. Pio V”.

7-9 de setembro de 2007: 7ª Viagem Apostólica: Áustria, onde Bento XVI coloca no itinerário também a visita ao Santuário Mariano de Mariazell.

30 de novembro de 2007: Bento XVI publica a sua segunda Carta Encíclica “Spe salvi”, dedicada à “esperança cristã”.

2008

15-21 de abril de 2008: 8ª Viagem Apostólica: Estados Unidos. Papa Bento XVI discursa na Assembleia Geral das Nações Unidas. Falaram também na mesma tribuna Paulo VI e João Paulo II, o Papa fala de temas muito caros a ele como o relativismo, a defesa da liberdade religiosa, os limites éticos da pesquisa científica, os deveres da ingerência, os limites da ação da ONU. A dignidade do homem, “criado à imagem de Deus” repete, deve estar no centro da ação da Comunidade internacional.

Em Washington, em 17 de abril encontra pela primeira vez as vítimas de abusos sexuais cometidos por sacerdotes. Durante a viagem fala sobre o tema. No mesmo dia 17, na Missa celebrada no National Stadium de Washington, comenta: “Nenhuma palavra minha poderia descrever a dor e o prejuízo causados pelo abuso sexual de menores. Protejam as crianças”. E também no dia 19 de abril, na homilia da Santa Missa junto à Catedral de São Patrício em Nova York, adverte: “O abuso sexual de menores por parte dos sacerdotes causou tanto sofrimento. Que este seja um tempo de purificação, seja um tempo de cura”. Durante o voo de ida, em 15 de abril, dissera com clareza: “Excluiremos rigorosamente os pedófilos do ministério sagrado: é absolutamente incompatível e quem é realmente culpado de ser pedófilo não pode ser sacerdote”, enquanto que no dia 16 de abril, no seu discurso aos bispos norte-americanos repete que “Entre os sinais contrários ao Evangelho da vida, há um que causa uma profunda vergonha: o abuso sexual de menores”.

12-21 de julho de 2008 9ª Viagem Apostólica: Austrália para a Jornada Mundial da Juventude em Sydney. Aqui também, em 21 de junho encontra um grupo de vítimas de abusos sexuais. Sobre os padre pedófilos, na coletiva de imprensa do voo de ida para a Austrália, o Papa adverte: “temos que refletir sobre o que foi insuficiente na nossa educação, no nosso ensinamento nas recentes décadas”, enquanto que na homilia na Catedral de Sydney repete: “Os abusos sexuais sobre os menores cometidos por alguns sacerdotes, são agravos que devem ser condenados de modo inequívoco. Lamento verdadeira e profundamente”.

12-15 de setembro de 2008: 10ª Viagem Apostólica: França. Papa Bento faz um importante discurso em Paris para os representantes do mundo da cultura e reitera que: “uma cultura meramente positivista que relegasse para o âmbito subjectivo, como não científica, a pergunta acerca de Deus, seria a capitulação da razão, a renúncia às suas possibilidades mais elevadas e, portanto, o descalabro do humanismo, cujas consequências não deixariam de ser graves”. Em Lourdes, preside a Missa com os bispos da França no 150º aniversário das aparições de Nossa Senhora.

5-26 de outubro de 2008 XII Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos sobre “A palavra de Deus na vida e na missão da Igreja”.

2009

24 de janeiro de 2009: Remissão da excomunhão a quatro bispos da Fraternidade São Pio X consagrados pelo bispo cismático Marcel Lefebvre. Entre os quais o bispo negacionista britânico Richard Williamson. Em uma carta posterior publicada em 10 de março de 2009 aos bispos da Igreja Católica, Bento XVI “lamentava” pelo fato do caso Williamson ter se sobreposto à remissão da excomunhão”.

17-23 de março de 2009: 11ª Viagem Apostólica: Camarões e Angola. O objetivo principal da viagem é a entrega aos bispos africanos do “Instrumentum laboris” do segundo Sínodo Especial para a África programado para outubro de 2009. Uma frase pronunciada na coletiva de imprensa durante o voo para a África, sobre o uso do preservativo na luta contra a Aids (“O problema da Aids não se resolve com a distribuição dos preservativos, ao contrário, aumentam o problema”) provocaram grandes reações na mídia.

31 de março de 2009: Bento XVI ordena uma Inspeção Apostólica na Congregação dos Legionários de Cristo.

8-15 de maio de 2009: 12ª Viagem Apostólica: Jordânia, Israel e Territórios Palestinos. Para contribuir à paz e dar apoio aos cristãos da região. Dia 12 de maio o Pontífice reza diante do Muro Ocidental de Jerusalém.

16 de junho de 2009 Na Carta de proclamação do Ano Sacerdotal, Bento XVI escreve: “Infelizmente existem também situações, nunca suficientemente deploradas, em que é a própria Igreja a sofrer pela infidelidade de alguns dos seus ministros. Daí advém então para o mundo motivo de escândalo e de repulsa”.

7 de julho de 2009: Bento XVI publica sua terceira Encíclica, “Caritas in Veritate” dedicada ao desenvolvimento humano integral na caridade e na verdade.

8 de julho de 2009: Publicação do Motu Proprio “Unitatem Ecclesiae” para encaminhar o diálogo doutrinal com a Fraternidade São Pio X.

26-28 de setembro de 2009: 13ª Viagem Apostólica: República Tcheca. Na sua chegada o Papa convida todos os cidadãos tchecos a redescobrir as tradições cristãs que plasmaram sua cultura e que foram ofuscadas pelo passado regime comunista e exorta “a comunidade cristã a continuar a fazer ouvir a sua voz enquanto a nação deve enfrentar os desafios do novo milênio”.

4-25 de outubro de 2009: II Assembleia Especial para a África do Sínodo dos Bispos sobre o tema “A Igreja ao serviço da reconciliação, da justiça e da paz”.

26 de outubro de 2009 Primeiro encontro da Comissão de Estudo, formada por especialistas da Pontifícia Comissão “Ecclesia Dei” e da Fraternidade Sacerdotal S. Pio X, com o objetivo de examinar as dificuldades doutrinais que ainda subsistem entre a Fraternidade e a Sé Apostólica.

14 de novembro de 2009 Publicação da Constituição Apostólica “Anglicanorum Coetibus”, sobre a instituição de Ordinariatos pessoais para anglicanos que entram na plena comunhão com a Igreja Católica.

19 de dezembro de 2009: Bento XVI proclama as “virtudes heroicas” do seu predecessor João Paulo II, passo decisivo antes da beatificação, e as de Pio XII.

2010

17 gennaio 2010 Visita de Bento XVI à Sinagoga de Roma. Trata-se da segunda visita de um pontífice no templo judaico da capital italiana depois da histórica visita de João Paulo II em 13 de abril de 1986, uma ocasião para reforçar a “proximidade e fraternidade espirituais” que unem a Igreja e os “irmãos mais velhos” dos cristãos depois de séculos de incompreensões e perseguições.

20 de março de 2010 Bento XVI envia uma Carta Pastoral a todos os católicos da Irlanda com a qual exprime profunda dor e tristeza pelos abusos cometidos por sacerdotes e religiosos e pelo modo como tais situações foram enfrentadas no passado. Além disso anuncia uma Inspeção Apostólica em algumas dioceses na Irlanda, assim como em seminários e institutos religiosos irlandeses, incluindo o de Roma. Cerca de dois meses mais tarde, em 31 de maio de 2010, a Santa Sé apresenta os detalhes da Inspeção confiada a nove inspetores apostólicos.

De março de 2010 – junho de 2010. Desencadeia-se uma violenta campanha midiática contra Bento XVI sobre a pedofilia. Entre os meios de comunicações os mais agressivos são o New York Times, Der Spiegel e a Associated Press. As insinuações totalmente infundadas, são de que estaria envolvido na cobertura de padres pedófilos quando era cardeal, antes de 2001, e na transferência de um sacerdote na Arquidiocese de Munique quando era arcebispo da mesma.

17-18 de abril de 2010: 14ª Viagem Apostólica: Malta, onde encontra novamente, em 18 de abril, algumas vítimas de abusos sexuais na Igreja. Durante a voo, a propósito de abusos, o Papa afirma: “Sei que Malta ama Cristo e ama a sua Igreja que é o seu Corpo e sabe que, mesmo se este Corpo está ferido pelos nossos pecados, contudo o Senhor ama esta Igreja e o seu Evangelho é a verdadeira força que purifica e cura”.

11-14 de maio de 2010 15ª Viagem Apostólica: Portugal, onde confia à Nossa Senhora de Fátima “as esperanças e o sofrimento” da humanidade e da Igreja. Durante o voo para Lisboa a propósito da chaga da pedofilia o Papa revela: “A maior perseguição à Igreja não vem dos inimigos externos, mas nasce do pecado na Igreja, e que a Igreja, portanto, tem uma profunda necessidade de re-aprender a penitência, de aceitar a purificação, de aprender por um lado o perdão, mas também a necessidade da justiça. O perdão não substitui a justiça”.

4-6 de junho de 2010 16ª Viagem Apostólica: Chipre para a entrega do Instrumentum laboris do Sínodo para o Oriente Médio.

11 de junho de 2010 Na homilia de encerramento do Ano Sacerdotal, Bento XVI afirma: “Também nós pedimos insistentemente perdão a Deus e às pessoas envolvidas, enquanto pretendemos e prometemos fazer todo o possível para que um tal abuso não possa mais suceder”.

9 de julho de 2010: Bento XVI nomeia D. Velasio De Paolis, Delegado Pontifício para os Legionários de Cristo, com o encargo de acompanhar a Congregação em um profundo processo de revisão da sua ordem depois dos “delitos” cometidos pelo fundador Marcial Maciel.

15 de julho de 2010  A Congregação para a Doutrina da Fé reforça as “Normae de gravioribus delictis“, Normas aplicativas e processuais promulgadas em 2001 durante o pontificado de João Paulo II sobre os delitos particularmente graves cometidos por sacerdotes e expoentes da Igreja, entre os quais a pedofilia. A nova normativa apresenta novidades de relevo: a passagem do prazo de prescrição de dez para vinte anos (permanecendo sempre a possibilidade de derrogação também além do mesmo prazo); a equiparação com os menores das pessoas com uso limitado de razão, e a introdução de um novo caso: a pornografia infantil. Além disso os procedimentos são acelerados e simplificados e, nos casos mais graves, pode-se apresentar ao Santo Padre a renúncia do estado clerical. Confirma-se todavia que “Deve ser dada sempre continuidade às disposições da lei civil no que se refere à remetência de crimes às autoridades competentes“.

16-19 de setembro de 2010: 17ª Viagem Apostólica: Escócia e Inglaterra. O Papa celebra a beatificação do cardeal inglês John Henry Newman (1801-1890), ex-anglicano convertido ao catolicismo no século XIX e, na Westminster Hall, a sala mais antiga do parlamento inglês, pronuncia um discurso muito aplaudido sobre a paridade e a complementaridade de fé e razão, sobre o papel da religião na vida pública e sobre a exigência de um fundamento da política nos princípios éticos racionais.

Na mesma viagem, em 18 de setembro, encontra um grupo de vítimas de abusos. No mesmo dia, durante a homilia na catedral do Preciosíssimo Sangue o Papa diz: “Juntamente convosco, reconheço também a vergonha e a humilhação que todos nós sofremos por causa daqueles pecados”, enquanto que a um grupo de profissionais e de voluntários repete: “É deplorável que, em um contraste tão marcante com a longa tradição da Igreja no cuidado aos jovens, eles tenham sofrido abusos e maus-tratos por obra de alguns sacerdotes e religiosos”.

12 de outubro de 2010 Bento XVI institui o Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização.

18 de outubro de 2010 Em uma extraordinária Carta aos seminaristas na conclusão do Ano Sacerdotal o Papa escreve: “Recentemente, tivemos de constatar com grande mágoa que sacerdotes desfiguraram o seu ministério, abusando sexualmente de crianças e adolescentes. Em vez de levar as pessoas a uma humanidade madura e servir-lhes de exemplo, com os seus abusos provocaram devastações, pelas quais sentimos profunda pena e desgosto”.

10-24 de outubro de 2010 Assembleia Especial para o Oriente Médio do Sínodo dos Bispos, sobre o tema “A Igreja Católica no Oriente Médio: comunhão e testemunho”. Como explica a introdução aos lineamenta, o Sínodo testemunha a atenção da Igreja universal para com as Igrejas no Oriente.

6-7 de novembro de 2010 18ª Viagem Apostólica: Espanha, com etapas em Santiago de Compostela e em Barcelona. Durante a visita, Bento XVI convida a Europa a “abrir-se cada vez mais a Deus”. Em Barcelona, visita a Basílica da Sagrada Família.

11 de novembro de 2010 Publicação da Exortação Apostólica pós-sinodal “Verbum Domini” , fruto do Sínodo sobre a Palavra de Deus em 2008.

30 de dezembro de 2010: Bento XVI publica um Motu proprio para a prevenção e contraste das atividades ilegais em campo financeiro e monetário. A nova lei impõe a todos os órgãos da Santa Sé as normas internacionais sobre os crimes econômicos e institui a Autoridade para a Informação Financeira (AIF) para o contraste da lavagem de capitais provenientes de atividades criminosas e ao financiamento do terrorismo.

2011

13 de janeiro de 2011 Bento XVI nomeia D. Leopoldo Girelli, arcebispo titular de Carpi a representante pontifício não-residente para o Vietnã. Trata-se do primeiro passo na direção do estabelecimento das relações diplomáticas entre o Vaticano e Hanói, interrompidas em 1975 depois da ocupação de Saigon.

15 de janeiro de 2011 A Congregação para a Doutrina da Fé institui um Ordinariato Pessoal para os grupo de pastores e os fiéis provenientes da Comunhão Anglicana que querem “entrar na plena e visível comunhão com a Igreja Católica”, nos termos da Constituição Apostólica “Anglicanorum Coetibus” de 2009.

10 de março de 2011 Publicação do segundo volume do livro “Jesus de Nazaré”, sobre a morte e a ressurreição de Cristo.

25 de abril de 2011: no Regina Coeli o Papa saúda a Associação Meter e reza pelas crianças vítimas da violência, da exploração e da indiferença.

1º de maio de 2011 Bento XVI proclama João Paulo II beato a apenas seis anos da sua morte.

16 de maio de 2011 Foi publicada a Carta Circular da Congregação para a Doutrina da Fé para ajudar as Conferências Episcopais na preparação de linhas diretrizes no tratamento dos casos de abuso sexual contra menores por parte de clérigos.

6 de junho de 2011 Conclusão da primeira fase da Inspeção Apostólica na Irlanda sobre os casos de pedofilia.

4-5 de junho de 2011 19ª Viagem Apostólica: Croácia por ocasião do Dia Nacional das Famílias Católicas croatas em Zagreb com o lema “Juntos em Cristo” e oração junto ao túmulo do Beato Alojzije Viktor Stepinac  (1898-1960) em Krašić.

18 de julho de 2011 Estabelecimento das relações diplomáticas entre a Santa Sé e a Malásia, país com a grande maioria de religião muçulmana.

18-21 de agosto de 2011 20ª Viagem Apostólica: Espanha por ocasião da XXVI Jornada Mundial da Juventude.

14 de setembro de 2011 No final de uma audiência entre a Congregação para a Doutrina da Fé e a direção da Fraternidade de São Pio X, a Santa Sé anuncia ter submetido à Fraternidade um “Preâmbulo doutrinal” para a aceitação do Concílio Vaticano II e do sucessivo magistério. A eventual aceitação deste preâmbulo seria uma premissa para o reconhecimento canônico da Fraternidade e para o exame teológico de algumas expressões ou formulações dos textos do Concílio Vaticano II e do magistério.

22-25 de setembro de 2011: 21ª Viagem Apostólica: Alemanha. Trata-se da sua terceira visita à sua terra natal como Pontífice. Em Berlim o Papa faz um histórico discurso ao Bundestag no qual, alerta novamente a uma “razão positivista, que se apresenta de modo exclusivista e não é capaz de perceber algo para além do que é funcional”. Em 23 de setembro em Erfurt encontra mais uma vez as vítimas de padres pedófilos e os representantes da Igreja Luterana. A propósito de pedofilia, durante sua viagem a Berlim no dia anterior ao falar com os jornalistas disse: “Distingamos, talvez, antes de tudo, a motivação específica daqueles que se sentem escandalizados por estes crimes, que se revelaram nestes últimos tempos. Posso compreender que, à luz de tais informações, sobretudo quando se trata de pessoas próximas, há quem diga: ‘Esta já não é a minha Igreja. A Igreja era para mim força de humanização e de moralização. Se representantes da Igreja fazem o contrário, já não posso viver com esta Igreja’”.

Em Friburgo o Papa pede: “uma Igreja aliviada dos elementos mundanos é capaz de comunicar aos homens precisamente no âmbito sócio-caritativo, –– tanto aos sofredores como àqueles que os ajudam –– a força vital particular da fé cristã”.

19 de outubro de 2011: O Delegado Pontifício cardeal De Paolis, apresenta as primeiras conclusões sobre os caminhos dos membros consagrados do Regnum Christi depois da Inspeção apostólica.

23 de outubro de 2011 Canonização de três beatos, subindo para 37 o número total dos santos proclamados por Bento XVI desde o início do seu pontificado. No final do pontificado serão 45.

27 de outubro de 2011  Após 25 anos de primeiro encontro pela paz convocado em Assis por João Paulo II, Bento XVI reúne na cidade de São Francisco os representantes das comunidades eclesiais e as maiores religiões do mundo.

18-20 de novembro de 2011 22ª Viagem Apostólica: Benin, por ocasião do 150º aniversário da evangelização da África ocidental e para entrega da Exortação Apostólica pós-sinodal “Africae Munus”.

21 de novembro de 2011: Carta do cardeal De Paolis com a qual o delegado pontifício para os Legionários de Cristo dá indicações sobre o caminho que os consagrados do Regnum Christi devem percorrer para modificar seu núcleo normativo.

26 de novembro de 2011 Ao receber os Bispos dos Estados Unidos em audiência, Bento XVI afirma: “Quis reconhecer pessoalmente os sofrimentos causados às vítimas e os esforços sinceros realizados para garantir a segurança das nossas crianças e para enfrentar de forma adequada e transparente as acusações de abusos, quando surgem. Espero que os esforços conscientes da Igreja a fim de abordar esta realidade possam ajudar a comunidade em geral a reconhecer as causas, a verdadeira dimensão e as consequências devastadoras dos abusos sexuais, e a responder com eficácia a este flagelo que atinge todos os níveis da sociedade. Devido à mesma razão, assim como a Igreja justamente se adapta aos padrões específicos sobre este aspecto, também todas as instituições, sem excepção, deveriam seguir as mesmas normas.

2012

18 de fevereiro de 2012 No seu 4º Consistório, Bento XVI cria 24 novos cardeais, levando a 84 os novos príncipes da Igreja nomeados sob o seu pontificado.

20 de março de 2012. A Santa Sé publica o documento conclusivo da Inspeção Apostólica, ordenada por Bento XVI na Carta aos Católicos Irlandeses depois dos escândalos de pedofilia no clero local.

23-28 de março de 2012: 23ª Viagem Apostólica: México e Cuba. Em Havana encontra Fidel Castro.

23 de maio de 2012: O mordomo do Papa, Paolo Gabriele, foi preso pela Gendarmaria vaticana com a acusação de roubo agravado de documentos reservados da Santa Sé no âmbito do escândalo Vatileaks, ou seja a fuga de informações relativas ao Papa e a alguns casos internos da Cidade do Vaticano.

24 de maio de 2012: Ettore Gotti Tedeschi pede demissão do cargo de presidente do Instituto para as Obras de Religiões (IOR), por não receber apoio do Conselho “leigo” de supervisão do IOR. Sua demissão faz parte do escândalo Vatileaks.

13 de junho de 2012: O Superior Geral da Fraternidade de São Pio X, Bernard Fellay foi recebido no Vaticano, na ocasião recebeu a avaliação da resposta ao “Preâmbulo doutrinal”, documento que a Santa Sé submeteu à Fraternidade, e que tinha sido entregue em abril. Nos meses seguintes, a perspectiva de volta da Comunidade cismática à plena comunhão com Roma será cada vez mais incerta.

17 de junho de 2012 Na mensagem vídeo por ocasião do encerramento do 50º Congresso Eucarístico Internacional em Dublin (Irlanda), Bento XVI afirma: “A gratidão e a alegria por uma história tão grande de fé e amor foram recentemente abaladas de maneira horrível pela revelação de pecados cometidos por sacerdotes e consagrados contra pessoas confiadas aos seus cuidados. Em vez de lhes mostrar o caminho para Cristo, para Deus, em vez de dar testemunho da sua bondade, abusaram delas e minaram a credibilidade da mensagem da Igreja. Como se pode explicar o facto de pessoas, que regularmente receberam o Corpo do Senhor e confessaram os seus pecados no sacramento da Penitência, terem incorrido em tais transgressões? Continua um mistério. Evidentemente, porém, o seu cristianismo já não era alimentado pelo encontro jubiloso com Jesus Cristo: tornara-se meramente uma questão de hábito

18 de julho de 2012 Moneyval, o órgão do Conselho da Europa que avalia as normas contra a lavagem de dinheiro dos sistemas financeiros, publica o seu primeiro relatório sobre o Vaticano, no qual convida a Santa Sé a “reforçar o próprio regime de vigilância”. Todavia o sistema Vaticano resulta adequado, ou amplamente adequado em 9 das 16 recomendações centrais sobre aspectos como a reciclagem de dinheiro, as medidas de apreensão, as leis de proteção de dados pessoais, a documentação, a assistência legal recíproca, o tratamento penal ao financiamento do terrorismo, a cooperação internacional e outros. Dom Ettore Balestrero, chefe da delegação do Vaticano junto ao Moneyval, manifestou “satisfação pelos resultados alcançados, consciente de todo o trabalho que ainda deve ser feito”.

14-16 de setembro de 2012 24ª Viagem Apostólica: Líbano, na ocasião entrega a Exortação Apostólica Pós-Sinodal fruto do Sínodo para o Oriente Médio.

29 de setembro-6 de outubro de 2012 Processo a Paolo Gabriele. O mordomo infiel foi condenado pelo Tribunal do Estado da Cidade do Vaticano a 18 meses de reclusão. Em 22 de dezembro, Bento XVI lhe concederá a graça. Um mês depois, em 5 de novembro de 2012, terá início um outro processo contra o técnico de informática Claudio Sciarpelletti, também ele envolvido no caso, e que será condenado a 4 meses de reclusão, reduzidos a 2 com pena suspensa por 5 anos.

7-28 de outubro de 2012 XIII Assembleia Geral ordinária do Sínodo dos Bispos sobre o tema “A nova evangelização para a transmissão da fé cristã”.

11 de outubro de 2012 No final da procissão de velas organizada no dia de abertura do Ano da Fé, Bento XVI, afirma: “Nestes cinquenta anos aprendemos e experimentamos que o pecado original existe e que se traduz, sempre de novo, em pecados pessoais, que podem também tornar-se estruturas de pecado. Vimos que no campo do Senhor há sempre o joio. Vimos que na rede de Pedro se encontram também peixes maus. Vimos que a fragilidade humana está presente também na Igreja, que a barca da Igreja continua a navegar inclusive com vento contrário, com tempestades que ameaçam a barca, e às vezes pensamos: ‘O Senhor dorme e esqueceu-nos’”.

21 de novembro de 2012  Publicação do livro “A infância de Jesus”, o último volume da trilogia sobre Jesus escrito por Joseph Ratzinger-Bento XVI.

2013

4 de janeiro de 2013 Segundo informações da Prefeitura Pontifícia, até esta data, mais de 20 milhões de pessoas participaram às audiências, celebrações litúrgicas e à oração do Angelus na presença de Bento XVI desde o início do seu pontificado.

16 de janeiro de 2013 Bento XVI publica o Motu Proprio “Fides per doctrinam” com o qual modifica a Constituição Apostólica “Pastor Bonus” e transfere a responsabilidade sobre a catequese da Congregação para o Clero ao Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização.

11 de fevereiro de 2013 Bento XVI anuncia durante o Consistório convocado no Vaticano a sua renúncia ao Ministério Petrino que será concluído em 28 de fevereiro.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *